11 de Novembro

11 de Novembro

por Victor de Barros

Como o próprio nome sugere, o havemos de voltar está de volta! Desta vez, abordando um assunto que ao nosso ver é extremamente pertinente e oportuno para a data presente, ou seja, por ocasião das comemorações dos 35 anos de independência de Angola.

O país de todos nós é independente já a 35 anos. Mas o que é que isto quer dizer na realidade? Será que, com referência a reportagens ouvidas, significa que devemos ter livros e escolas e hospitas e tudo mais? Será que significa ter uma bandeira, um hino, um bilhete de identidade? As respostas para esta questão são extremamente subjectivas. De qualquer forma, antes de apresentar o meu parecer sobre este assunto, apresento um rescaldo do meu entendimento no que refere ao processo de descolonização do nosso país.

Começo o meu relato com o início da luta armada levada a cabo pelos movimentos de libertação em Angola. A primeira acção do género ocurreu na baixa de Caxange a 4 de Janeiro de 1961. Após este início, muitas outras manifestações do género foram desencadeadas, com notabilidade para o popular 4 de Fevereiro (associado ao MPLA) e o menos famoso 15 de Março (associado à UPA/FNLA). Os ideais liberais inspirados por tais acções, assim como pela conjuntura internacional na época, eram combatidos pelos poderes coloniais. Numa tentativa de estabeler a sua presença em Angola, Portugal investe na região e um crescimento estonteante acontece no periodo entre 1960 e 1973. Após anos de luta contra o regime colonial e com o golpe de estado que derrubou o regime facista de Salazar em Portugal, a independência do país torna-se cada vez mais evidente e materialisa-se em Janeiro de 1975 com os acordos de Alvor, que continha dentre outras cláusulas, um entendimento entre a partilha de poderes pelos movimentos de libertação e o reconhecimento da soberania do país por parte dos então colonos tãologo quanto fosse declarada a independência, evento agendado para 11 de Novembro de 1975. A partir desta altura a história de Angola começa a caminhar em trilhos escolhidos por nós mesmos, ou para ser mais justo, por uma meia dúzia de pessoas que afirmavam representar o povo angolano.

Pouco depois da assinatura dos acordos de Alvor, os três movimentos de libertação, nomeadamente FNLA, UNITA e MPLA, começam a guerra civil de Angola, logo após a guerra para a independência do país, atropelando dessa forma os acordos concernentes à partilha de poderes por esses mesmos movimentos. No meio desse tumulto, o MPLA consegue manter-se na capital até o 11 de Novembro, data na qual, como acordado em Alvor, a independência de Angola foi proclamada. Agostinho Neto, na qualidade de presidente do partido na data faz as honras ao povo angolano. O partido no poder, ao mesmo tempo em que disputava o controle do país com as forças da oposição, também lidava com tensões internas que foram “resolvidas” com uma matança infundada e generalizada no dia 27 do mês de Maio do ano de 1977. No entanto, a guerra civil continua até 1991, altura em que as primeiras eleições do país são efectuadas como resultado dos acordos de Bicesse. Após a derrota, Jonas Savimbi clama fraude no processo eleitoral e as armas são ergidas novamente. Nesta altura, o FNLA já havia esmurecido no contexto da luta armada pelo domínio do país. As armas calam-se uma vez mais em 1994, por ocasião do protocolo de Lusaka, no qual o GURN foi estabelecido. Infelizmente e como na ocasião anterior, as armas erguem-se novamente, mas desta apenas após quatro anos e calam-se mais uma vez e definitivamente (pelo menos até agora) em 2002, com a morte de Jonas Savimbi em combate. Em 2008 presenciamos as segundas eleições legislativas no país, em que o partido no poder ganhou com aproximadamente 80% dos votos. Desde então, diversos acontecimentos têm se desenrolado no país, tanto no contexto internacional como no contexto nacional, com destaques à cooperação com a China, a extinção e criação de várias formações políticas e a aprovação de uma nova legislação que dentre inúmeros pontos, aboliu a realização de eleições presidenciais, retirando desta forma o direito dos cidadãos angolanos votarem directamente no seu presidente.

Como deve parecer óbvio, o relato acima é um resumo dos acontecimentos. Esse resumo é baseado em conhecimentos que para além de serem restritos, correspondem ao ponto de vista do “vencedor”. Não obstante estes factos, tentei ser o mais correcto e imparcial o quanto pude.

Uma vez concluido o rescaldo histórico do país, dou o meu parecer quanto a nossa independência:

É bem verdade que já não existem contratados, passes e até mesmo assimilados. Como já fiz referência no ínicio do artigo, temos o nosso próprio hino, a nossa bandeira, as nossas escolas e tudo mais. Mas a pergunta inicial deste artigo permanece na minha mente: será que é isso ser independente? Olho para nós mesmos e me pergunto quantos de nós falam línguas nacionais? E como são tratadas essas línguas e as pessoas que as falam (principalmente em Luanda)? O nosso hino fala de marchas e combates mesmo no contexto da paz, lutaremos pela paz mas a paz já foi alcançada (pelo menos espero eu…). A bandeira do país é facilmente confundível com a bandeira da formação partidária no poder. Os nossos filhos são educados nas escolas portuguesas, francesas, internacionais e não sei o que mais. A matéria que aprendem tem muito pouco haver com a realidade nacional e a que tem alguma relação nós é dada de forma parcial. A informação é ocultada e as pessoas ainda vivem no medo de afrontar as autoridades, aceitando o “status quo” pois qualquer outra atitude arrecadaria resultados trágicos. O poder popular para qual os nossos pais e avós lutaram é nada mais que uma utopia actualmente. Discriminações com báses rácicas, sociais, económicas e políticas proliferam-se na nossa sociedade. Temos uma economia frágil que ilude os menos atentos com indicadores enganosos. E se o petróleo e os diamantes acabam? Este ano, celebramos 35 anos de independência, e após 8 anos de paz eu me pergunto mais uma vez, será que somos realmente independentes?

De qualquer forma e como já é hábito, o 11 de Novembro continua a ser uma data de inaugurações e de manifestações populistas em que as máquinas políticas no país aproveitam para soltarem a sua proganda; ao menos as máquinas com maior sagassidade. A população que mal tem um tecto esquece-se de tudo por conta das embriagueses que acontecem nas maratonas promovidas pelo governo durante fins-de-semana absurdamente prolongados. A oposição faz o que faz de melhor: reclama das práticas do partido no poder, reclamam de exclusão das festividades (de que estarão eles a espera???) e pedem reflexão… As prioridades a longo prazo esbatem-se no fundo de caus imediato e as pessoas retomam a realidade de suas vidas na ressaca, a espera do próximo 11 de Novembro, aguardando (im)pacientemente por mais um aniversário da nossa independência.

Victor de Barros

Anúncios

~ por Havemos de Voltar em Dezembro 2, 2010.

3 Respostas to “11 de Novembro”

  1. Li com muita atenção o que escreveu sobre a independência de Angola. Não tenho palavras para descrever, pois tudo o que falou concordo a 100%! É isso meu amigo, “havemos de voltar” quando!? As novas gerações têm uma boa arma para adquirirem o que lhes é de direito. Terão que passar a palavra e todos, sem medo, exigirem eleições, pois essas são a melhor arma do povo. Mais guerra não! Mas sim ao voto!
    Um abraço

  2. Tenho que tirar o chapéu e admitir que até parece que você entrou na minha mente, a pontos de vista que vão de enconro aos meus de forma impressionante, muito embora mostre em algumas partes do artigo clara e evidente parcialidade.
    Olho vivo que esse país ainda tem jeito vamos acreditar.

  3. antes de mais, gostaria de me desculpar pela demora do feedback e agradecer pelos contributos. eu acredito nesse pais, no pais de todos nos, apesar de nesta altura do campeonato reconhecer que essas esperanças ainda sao moribundas. feliz ou infelizmente amigo jose, o voto deixou de ter algum e qualquer poder no que concerne a expressao popular, visto que eh nesta altura impossivel expressar a minha opiniao atraves do voto caso, por exemplo, acreditar mais na unita como representante do povo na assembleia e mais no mpla como lider das politicas governamentais e do executivo. e impossivel ter-se isto, e eu acho que ista eh uma situaçao grave. nao quero ser negativo, mas as coisa tendem a piorar, ao menos que nos os jovens acordemos e façamos a nossa presença se sentir em todas as vertentes do nosso pais… havemos de voltar, definitivamente, mas nao de boleia com certeza. que a juventude envide esforços neste sentido. essa eh o nosso direito e dever. essa eh a nossa missao. façamos a diferença…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: